Mais de 1.200 presos de Goiás participam de exame para conclusão dos estudos

As avaliações foram executadas em mais de 50 unidades prisionais do Estado de Goiás. Os exames, aplicados pelo Inpe, permite que a população privada de liberdade que não concluiu os ensinos fundamental ou médio possa ganhar a certificação

162

Entre os dias 13 e 14 de outubro, 1.245 custodiados de estabelecimentos penitenciários de Goiás realizaram as avaliações do Exame Nacional para Certificação de Competências de Jovens e Adultos para Pessoas Privadas de Liberdade (Encceja Nacional PPL). Por meio dessa prova, os participantes que não finalizaram os estudos têm a possibilidade de conquistarem a certificação.

A 4ª Coordenação Regional Prisional (CRP) da Diretoria Geral de Administração Penitenciária (DGAP) foi a que teve maior número de presos inscritos para a realização do exame, um total de 334. Na 4ª CRP, presídios de doze municípios promoveram a aplicação das provas. Em seguida, a 1ª CRP ocupa o segundo lugar na quantidade de provas realizadas, 274. Os sete presídios da 3ª CRP nos quais houveram exames somaram um total de 186 provas aplicadas. Na sequência ficaram a 7ª, 2ª, 5ª, 6ª e 8ª CRPs, com respectivamente 179, 111, 67, 53 e 41 provas realizadas.

A aplicação das provas foi dividida em dois dias para que, no primeiro, fossem realizadas as provas relacionadas ao ensino fundamental e, no segundo, os exames com conteúdos relativos ao ensino médio. Algumas unidades prisionais tiveram somente um dia de aplicação, de acordo com o nível de estudos dos detentos. A escolha para a realização das provas pelos detentos é voluntária.

De acordo com o diretor geral de administração penitenciária, tenente coronel Rasmussen, a aplicação das provas do Encceja é um dos exemplos de cumprimento da política de ressocialização estabelecida pelo Governo de Goiás. “Um dos princípios da DGAP é o de que a custódia de detentos esteja aliada à educação e atividades que promovam a ocupação dos presos. A partir do momento que estão inseridos em ações ligadas ao intelecto e ao desenvolvimento de habilidades, isso contribui para possibilitar novas condutas e, consequentemente, novas chances à população carcerária”, pontuou Rasmussen.

A avaliação

O Encceja é um programa do Governo Federal que existe desde 2002. Os exames são aplicados pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), com a colaboração das secretarias estaduais e municipais de educação. As provas têm duração de quatro horas e nelas são avaliadas habilidades e competências de quatro áreas de conhecimento adequadas aos conteúdos do nível fundamental ou médio.

Com base nos resultados das provas, os inscritos podem receber o certificado de conclusão das fases escolares mencionadas. A avaliação também é uma ferramenta para apontar indicadores educacionais no Brasil.

Fotos: DGAP

Diretoria Geral de Administração Penitenciária (DGAP)
Comunicação Setorial